Tudo sobre relógio de ponto

Sobre comentário de Anita Hitelman (Leitora do Portal) em 25-10-2010 no Post

http://www.relogio.deponto.com.br/relogio-de-ponto-eletronico-continua-questionamento-da-portaria-1510/

Engraçado dizer que o MT não obrigou ninguém a investir!  Se vc é uma empresa séria, que fornece sistemas de ponto que por sua vez rodam em relógios de ponto e sai uma portaria, como assim que não sou obrigada a investir e me adaptar?

A lei obriga sim senhores a quem desenvolve sistemas de ponto que os adapte à portaria e obriga sim a quem fabrica/vende relogios de ponto que se adapte. Não era opcional! Ou faz isto ou estarão vendendo coisas fora da lei!  Simples assim!

O que quer dizer que o cliente deve ser protegido por seu fornecedor? Não entendi!
E que conversa é esta de quem se sentir lesado que recorra à justiça? Vcs acham que estão onde? Com a nossa justiça do jeito que é! com recursos e mais recursos! e sabiam que para entrar na justiça precisa contratar advogados e pagar pelos serviços?

Acho esta sua resposta simplesmente revoltante! Uma pequena empresa séria, que recebe o texto de uma lei, trabalha dentro dela e de repente tudo pode ir por água abaixo? Ou pior ainda,incertezas e mais incertezas?
 

 Com relação ao questionamento de nossa leitora, o  portal  BLOG DO PONTO argumenta:

1) A portaria 1510 não é uma lei.

E como portaria, não promoveu o fundamental: discussão prévia entre a sociedade.

2) Uma portaria não pode proibir o uso nem a comercialização de algo sem que haja uma Lei.

Não se pode criminalizar todos os clientes de relógios de ponto, que anteriormente à Portaria, adquiriram seus equipamentos. Nem tampouco são criminosos os que comercializam equipamentos eletrônicos de forma lícita.

A constituição deixa claro que não há crime sem lei anterior que o defina, portanto uma conduta será considerada criminosa somente se prevista em lei. E, de mais a mais, Portaria não é lei.

3) A portaria 1510 não se aplica a todos os usuários.

O MTE isentou o próprio GOVERNO quando no trato de servidores estatutários de cumprir as exigências da Portaria 1510.

Com isto, fica claríssimo que o Fabricantes ainda terão demanda para equipamentos de Relógios de Ponto Eletrônicos não homologados conforme portaria 1510, e portanto, sua fabricação não é e nem poderia ser proibida. Isto vale também para quem os comercializa.

Portanto, prezada Leitora,

Se você é uma empresa séria que fornece qualquer coisa, deve pensar na sua “galinha dos ovos de ouro”: O SEU CLIENTE.

É isto que queremos dizer. O cliente deve buscar em seu fornecedor, algumas características como: SEGURANÇA, PARCERIA, HONESTIDADE, COMPROMETIMENTO.

Você provavelmente não é fabricante. É uma empresa que revende relógios de ponto. Assim, também é CLIENTE. Não acha que deveria ter sido protegida por seus fornecedores.? Afinal, eles detém um conhecimento técnico superior! Por que os fabricantes foram tão omissos quanto aos problemas aqui levantados? Por que tanto silêncio?

Neste mesmo viés, somos todos “clientes” do Governo. Também tivemos (neste evento Portaria 1510) nossos sagrados direitos à opinião, à discussão, à livre iniciativa, à liberdade de escolha, esquecidos. E não gostamos disto.

Só para exemplificar melhor nossa extrema preocupação com o seu CLIENTE:

A solução do REP “Anti-fraude” do MTE trouxe garantias a todos? Vejamos:
1) O ticket  (em via única) é do empregado
2) O relatório fiscal é da fiscalização (ficou proibido acesso a qualquer outro).
Restou ao empregador  como prova o REP  e sua memória “inviolável”; isto porque no software, definitivamente o MTE não confia.

E se por acaso o equipamento queimar, o que terá o empregador? Qual outra documentação aceita pelo MTE e inviolável terá a empresa?
Que segurança jurídica?
Como serão os processos trabalhistas e a apresentação de provas daqui por diante?

O comprador do REP tem direito a estas e outras respostas antes de investir nisto! Do contrário permanecerão incertezas e mais incertezas!

O objetivo deste Portal não é combater a Portaria 1510, e nem tampouco fabricantes, comerciantes ou qualquer outro. Aqui queremos é  privilegiar a discussão contra uma regulamentação que claramente vai contra nossos preceitos Constitucionais (por melhor que seja a intenção).

Mas com seus comentários nossa Leitora trouxe a nós uma rica oportunidade de debater mais profundamente algumas questões. Por isto, nos ajude a divulgar estes problemas e ganhe definitivamente a confiança de seu CLIENTE, Anita!

4 Respostas to “Fabricantes e Revendas de Relógios de Ponto são obrigados a se adaptar à portaria 1510?”

  1. Anita Hitelman

    on julho 6 2011

    Hoje soube que a portaria foi sustada! E continuamos a receber consulta de relógios e sistemas de ponto. Como vc bem diz o importante é ganhar a confiança do cliente e a minha empresa é expert nisto- seu lema é este mesmo- o atendimento ao cliente com honestidade em primeirissimo lugar! Mas voltando, falo o que para um cliente que me procura para fornecer um relógio? Ontem me ligou um que tinha 20 funcionários e 3 cnpjs- queria modernizar a empresa, deixar de lado os cartões de ponto manuais- e??????? Com a portaria não pode usar o mesmo REP para 3 cnpjs! Fui honestissima com ele e acabamos orçando um relgio cartográfico! que absolutamente não o satisfaz! porque continua a possibilidade de fraude por parte dos funcionários e porque a empresa dele sendo de tecnologia ficaria muitissimo melhor na fita se adotasse um REP! Só que comprar 3 relógios para 20 funcionários foge da realidade!! Enfim, um mato sem cachorro!

  2. autor

    on julho 6 2011

    Anita,

    Que bom que após quase 9 meses de seu último contato conosco muita coisa mudou… Já era óbvio para nós àquela altura que vender REP não traria bons frutos à sua empresa, principalmente porque você se diz preocupada com a honestidade e segurança nos negócios que tem com seus clientes. Agora você entende que os REP´s nunca foram equipamentos confiáveis para você e seus clientes, e que a portaria (que não é lei), um instrumento ainda menos seguro para se pautar os investimentos. Talvez você já tenha vivenciado problemas nos REP que a façam ter certeza que de fato não há conformidade dos mesmos com a P1510, mesmo que homologados. Então, você deve estar de acordo conosco quando colocamos em xeque os processos de certificação. A caminhada foi longa, mas estamos hoje vivenciando um momento importante onde os revendedores terão papel fundamental. Para onde o mercado de ponto irá? Em 2 anos saímos de produtos em forte crescimento tecnológico para o atraso dos REP ou o incentivo ao retrocesso dos mecânicos; de um mercado seguro, em crescimento e com forte presença de tecnologia nacional para um mar de incertezas, em queda livre e entregue aos equipamentos chineses!! No nosso entendimento, já que fabricantes nacionais não assumiram uma postura de proteger seu mercado, acreditamos que os revendedores tomem a postura de orientar seus clientes e retomar a confiança em suas mãos.
    Obs.: A votação da CTASP ainda não sustou a Portaria 1510. Ainda é necessário vencer mais etapas. No entanto, o resultado de hoje já nos faz ver o final desta história…

  3. Valquiria Gaudencio

    on novembro 11 2011

    Tem como eu receber no meu e-mail um lista com todas as empresas fabricantes de relogio de ponto?
    mas so as fabricantes.

  4. autor

    on novembro 11 2011

    Valquiria,

    Não é nosso papel aqui indicar ou favorecer fabricantes por enquanto.
    Talvez em algum momento futuro possamos oferecer este serviço.
    A internet é ferramenta bastante útil e certamente a levará aos fabricantes.

Comment RSS · TrackBack URI

Deixe um comentário

Nome: (Obrigatório)

Email: (Obrigatório)

Website:

Comentário: