Tudo sobre relógio de ponto

Para Fiesp, adiamento das novas regras do ponto eletrônico é uma vitória parcial

Entidade patronal segue defendendo a revogação total das normas

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) aplaudiu a decisão do Governo Federal de adiar para 1º de março de 2011 a obrigatoriedade das novas regras do Registro de Ponto Eletrônico. No entanto, a entidade considera a prorrogação uma vitória apenas parcial e, portanto, continuará lutando por sua total revogação.

A Portaria 1510/09, do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), havia estipulado que as normas entrariam em vigor em 26 de agosto deste ano. A nova Portaria 1987/10 foi publicada nesta quinta-feira (19) no Diário Oficial da União (DOU). O recuo do governo ocorreu devido às pressões das principais entidades patronais, como a Fiesp e a CNI.

Neste sentido, a Fiesp participou ativamente da campanha contra as novas regras, com medidas de boa repercussão. Entre elas, intenso diálogo com o presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva. Além de ofícios endereçados ao ministro do Trabalho, Carlos Lupi, e ao vice-presidente da República, José Alencar, apontando as falhas das normas e pedindo sua anulação.

Além disso, a entidade tem se posicionado publicamente contra as regras do ponto eletrônico, argumentando que seus altos custos comprometerão a competitividade produtiva nacional, sobretudo das micro e pequenas indústrias. Segundo o Departamento Sindical (Desin) da Fiesp, outra preocupação é o risco de aumentar a animosidade das relações de trabalho.

Fora isso, a Fiesp também acredita que as normas não resolverão os problemas apontados pelo MTE. Por estes motivos, mesmo com o adiamento do prazo para as empresas implantarem o novo sistema, a entidade insiste na sua total revogação.

Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp)

Fonte: http://www.fiesp.com.br/agencianoticias/2010/08/20/nota_oficial_ponto_eletronico_adiamento_normas.ntc

Deixe um comentário

Nome: (Obrigatório)

Email: (Obrigatório)

Website:

Comentário: